A Polêmica do Termo Porajmos

Controvérsia

Porajmos é uma palavra romani que significa, ao pé da letra, “devoração”. Não é um termo comum, muito menos unânime como se pode pensar num primeiro momento, mas foi cunhado pelo professor doutor Ian Hancock, da Universidade do Texas, que, como já dissemos, é rhom e um linguista renomado.

Hancock adotou o termo, que teria sido sugerido por um amigo kalderash numa conversa informal em 1993, para o genocídio romani da Segunda Guerra Mundial, já que o termo “Holocausto” parece estar indissociavelmente ligado aos judeus. No entanto, ele permanece desconhecido para boa parte dos rhomá, incluindo parentes das vítimas e sobreviventes.

Na verdade, alguns ativistas rhomá, sobretudo na Rússia e nos Bálcãs, têm protestado veementemente contra o termo. Ocorre que porajmos, em muitos dialetos romani, é sinônimo de poravipe (violação, estupro), uma palavra considerada inadequada e até mesmo ofensiva.

Marcel Courthiade, um francês e outro catedrático e linguista especializado em romani, propõe o uso da expressão samudaripen, que significa “assassinato em massa”. Dessa vez, os ativistas rhomá da Rússia e dos Bálcãs concordam, mas Hancock argumenta que a morfologia da palavra é inadequada. Em face disto, os ativistas propõem outro termo – Kali Trás (Medo Negro), que muitos consideram um tanto exagerado.

Bersa Bibaxtale (Anos Desafortunados) tem aparecido em alguns escritos como alternativa. Finalmente, empréstimos linguísticos como Holokosto ou Holokausto também vem sendo ocasionalmente usados.